Patrulha Ambiental pode paralisar atividades

Do Paraná Centro

lidianopolis_pescadores_1_1012

 

A Patrulha Ambiental de Porto Ubá pode paralisar as atividades se não receber um apoio maior do poder público da região. A informação é do comandante do órgão de proteção ambiental, Marildo de Oliveira, que, na semana passada, se reuniu com os prefeitos de Lidianópolis, Lunardelli e São João do Ivaí, e cobrou um apoio maior dos municípios.

A Patrulha Ambiental foi criada, há cerca de um ano, e é composta basicamente por pescadores profissionais que estão impedidos de exercer a profissão.

Durante este ano, a Patrulha Ambiental realizou diversas ações em prol do meio ambiente, como arrastão ecológico no Rio Ivaí; conscientização de pescadores amadores; e população ribeirinha sobre o período da piracema. Na área urbana, a Patrulha Ambiental também ajudou a realizar arrastões de combate à dengue, entre outras ações. “Durante a cheia do Rio Ivaí, em junho do ano passado, ajudamos no resgate de algumas pessoas que estavam ilhadas e, agora, resolvemos dar um ultimato para que o poder público possa fazer algo em prol da Patrulha Ambiental”, avisou o comandante.

A principal reivindicação da Patrulha Ambiental é relacionada ao repasse de recursos financeiros e apoio logístico, como barcos, rádios comunicadores e coletes salva-vidas. “Também vamos procurar os prefeitos de outros municípios banhados pelo Rio Ivaí e ver o que eles podem fazer para apoiar o trabalho da Patrulha Ambiental”.

Volta de pescadores 
No próximo dia 10 de março, os pescadores profissionais de Porto Ubá devem participar de uma reunião que será realizada na Promotoria de Campo Mourão, onde deve ser definida uma ação conjunta para que os pescadores profissionais possam voltar a desenvolver as ações no Rio Ivaí.

 

 

 

 

Os comentários estão fechados.