Polícia Rodoviária alerta sobre colheitadeiras em rodovia

Do Jornal Paraná Centro

Com o início da colheita da safra de soja é comum os motoristas que circulam pelas rodovias da região se deparar com colheitadeiras e implementos agrícolas transitando em baixa velocidade pelas estradas da região. Além do transtorno para os outros motoristas, pois dificulta a ultrapassagem em alguns trechos, em função das dimensões que ocupa na rodovia, se não estiver bem sinalizada, a circulação desses maquinários podem ocasionar sérios acidentes.

No entanto, segundo a Polícia Rodoviária Estadual de Porto Ubá, os equipamentos só podem ser transportados se estiverem embarcados em caminhões apropriados e com a plataforma de colheita devidamente desmontada.

O trânsito pela rodovia só é permitido em trajetos curtos ou para atravessar propriedades que são cortadas pela estrada, desde que a Polícia Rodoviária Estadual seja avisada com antecedência e possa fazer a segurança.

O 1º sargento Domingos Mendes de Almeida, comandante do Posto da Polícia Rodoviária de Porto Ubá, explicou que o efetivo do Porto Ubá é insuficiente para atender os mais de 312 quilômetros de rodovias que estão sob a jurisprudência da unidade e que o atendimento aos pedidos para esse tipo de escolta é muito difícil. “Tentaremos atender conforma a nossa disponibilidade”, afirmou.

Caso uma colheitadeira seja flagrada andando pela rodovia, sem estar devidamente embarcada, o procedimento, segundo o comandante, é a retenção do equipamento e o encaminhamento até o pátio da Polícia Rodoviária. Para que o motorista possa retirar a colheitadeira, será necessário apresentar a documentação referente ao maquinário e pagar as despesas de locomoção. Porém, não é possível emitir multa, uma vez que não existe regulamentação no Código de Trânsito para autuar esse tipo de maquinário agrícola.

O comandante lembrou que, em determinadas situações em que o desrespeito as leis de trânsito forem flagrantes e quando o operador colocar a vida de outras pessoas em risco, sem que haja o mínimo de sinalização neste tipo de transporte, o condutor pode ser preso por direção perigosa. “Temos nos deparado com situações em que as máquinas circulam à noite e sem nenhum tipo de sinalização. Ou seja, o cidadão não se preocupa em colocar um serviço de batedor para sinalizar o implemento e isso é considerado uma irresponsabilidade, porque ele está expondo outras pessoas a um risco enorme”, alertou o comandante.

Apesar do perigo que representa, não houve acidentes com maquinários, nos últimos três anos, na região. A orientação para os motoristas que circulam pelas rodovias, principalmente de menor movimento, nesta época do ano, é que fiquem atentos, principalmente no período noturno, quando muitos condutores não sinalizam os equipamentos.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta