Carta do Leitor: Uma Atitude de Revolta!

Não vou colocar aqui o nome dessa Drª plantonista nesse final semana no Hospital Municipal de São João do Ivaí que se intitula uma profissional da saúde e é, por questão de ética. Essa Drª foi estúpida, sem respeito e faltou até com a educação quando não nos deu a oportunidade de fato para falar o que estava acontecendo ao nem examinar minha mãe ou perguntar a razão que nós estávamos lá procurando os serviços profissional. Essa médica não examinou minha mãe, não perguntou o que acontecia, simplesmente passou um complexo vitamínico, medicamento qual ela não pode tomar já que o problema dela está justamente na deglutição, pois sofreu um AVCI há três meses e existem dias que a disfagia aumenta comprometendo o ato de engolir. Se essa mal educada tivesse feito uma consulta de verdade ficaria sabendo o que estava acontecendo e o porquê de estarmos ali. A pressão arterial estava 10/6 e ela disse que estava ótima.

Sendo que estava baixa devido à fraqueza e desnutrição. Naquele momento acredito que minha mãe precisava de um soro para nutri-la até passar esse período que ela já passou há uns trinta dias atrás e num hospital de Ivaiporã foi atendida por uma profissional (neurologista) e essa aplicou o soro onde no dia seguinte minha mãe já estava bem melhor e voltou a alimentar-se.

 

Todos sabemos que soro não substitui a alimentação normal, mas em casos especiais se faz necessário e essa senhora disse que gostaria de saber quem inventou que soro nutre alguém que ela iria esganar essa pessoa. Se em seguida entra alguém no consultório e pergunta se a pessoa que ela havia atendido era branca ou negra ela não saberia dizer já que nem olhou pra minha mãe.

 

Falou apenas com minha irmã e sendo que estava eu e minha mãe na sala. Disse que não iria examiná-la já que o problema era fraqueza. Passou um complexo vitamínico que pode até ser bom, mas como se minha mãe não estava conseguindo engolir nem água direito se esse comprimido é enorme de grande? Se ela tivesse realizado a consulta saberia o porquê estávamos ali procurando os serviços do hospital, pois teríamos a oportunidade de explicar o quadro a ela.

 

Resumindo essa parte: Em menos de dois minutos fez a receitinha da vitamina dizendo que levantava até defunto, sim foi bem essa a expressão dela e nos mandou passar na frutaria comprar água de coco, o que sabemos é muito bom mesmo, porém minha revolta aqui foi o não atendimento da consulta por parte dela. Ela só falou e não procurou ouvir nada. Voltamos pra casa da mesma forma que fomos procurar atendimento, ou seja, na mesma.

 

À noite como minha mãe continuava com vômitos, pressão baixa e sem poder comer nada, resolvemos ligar para o hospital pra saber se o plantão havia mudado ou continuava a mesma pessoa sem respeito com o próximo, porém, alguém de forma muito educada e respeitosa sem saber com quem falava me informou que não poderia passar o nome do profissional plantonista. Indignei-me, afinal, temos o direito de saber e então ela me explicou que foi realizado reunião com responsáveis pela saúde e prefeito e decidiram que o HM não informaria mais os nomes dos plantonistas, pois muitos familiares ou doentes ao saber quem estava de plantão não ia até o hospital pra consulta e ficava passando mal em casa por não querer tal profissional e então eu pergunto:

 

Adiantou procurarmos o hospital mesmo sem saber o profissional que estava atendendo? Fomos atendidos dignamente por ela? Voltamos aliviados para casa? Claro que não! Fomos mal atendidos, voltamos revoltados pela falta de respeito dessa mulher. E mais, a atendente e volto a dizer, muito educado comigo, disse que os responsáveis decidiram não informar o nome do plantonista pelo fato acima citado e por ser no SUS, onde o atendimento é de graça e por isso não podemos exigir ou escolher profissionais e eu faço uma pergunta: de onde tiraram isso que somos atendidos de graça se quando pagamos impostos já estamos pagando antecipados tais serviços? Certos profissionais nos atende da forma que fomos atendidos ontem exatamente por isso, por acreditar que pensamos eles estarem fazendo um favor a nós.

 

Eles não estão fazendo mais que obrigação, pois o salário deles somos nós contribuintes que pagamos e mais, a consulta já foi paga com antecipação ao governo. Um absurdo isso  e fica aqui minha revolta a essa profissional. Que ela aprenda a tratar gente como gente, que ela aprenda a ser uma profissional que lida com vidas e saúde de gente, de pessoas debilitadas e que no mínimo quer respeito e a devida atenção. Senhor prefeito meu respeito a sua pessoa e ao seu trabalho nessa cidade, mas, por favor, ao contratar pessoas procure melhor qualificação para o cargo e ainda a tempo, converse com essa profissional e peça a ela que respeite os pacientes e seus familiares, pois quando minha família procura um hospital é porque precisa e nesse caso muitas vezes temos que procurar fora profissionais particulares para não sermos humilhados por profissionais como fomos ontem por essa senhora.

 

Só estou fazendo isso para deixar minha indignação e revolta queremos atendimento com respeito em primeiro lugar e não uma pessoa insensível e de certa forma estúpida como essa “doutora”. E mais, pode apostar que não fomos os primeiros a ter péssimo atendimento por ela. Fica aqui minha revolta e protesto. Espero ter esse conteúdo publicado, embora enorme, mas verdadeiro. Meu e-mail o moderador tem, não fujo do que disse aqui já que isso aconteceu comigo e minha família na data de 03/03/2012. Não estou generalizando os tratamentos pelos profissionais do HM, apenas indignada pela forma que fomos tratados por essa Drª e sei que outras pessoas passaram e passam pela mesma humilhação com essa profissional da medicina.

 

Roque, se publicar ficarei extremamente grata, pois minha indignação é grande e esse tipo de tratamento tem acabar no citado hospital.

 

 

Abraço e Obrigada.

 

 

“Só reclamam da vida os que estão bem, os  que estão mal, muito mal cerram os dentes e seguem em frente! (Gustavo Zerbino, sobrevivente da tragédia com o vôo que levava o time rugby do Uruguai,  nas Cordilheira dos Andes em Outubro de 1972).

 

Adicionar a favoritos link permanente.

36 Comments

  1. Marta…não fui zombador, e tão pouco provocador,sinta-se desculpada.
    Você parece ter um certo jeito de solucionar algumas questões, isso a faz uma candidata competente…porque não se junta ao meio politico e passe a fazer a diferença.? Você compreende a função de um vereador ? compreendendo , lhe pergunto…quantos a exercem de fato ? ai que entraria pessoas como você,não estas só com essa indignação.Quando a cobrança passa ser feita internamente ,as soluções surgem com maior rapidez , devemos mostrar o que esta errado, e a maioria dos erros são vistos apenas por quem esta de fora, ainda assim correndo o risco de cometer os mesmos erros depois de algum tempo participando da situação, entende?

    • Ok! Como disse antes, pareceu-me zombador. Foi uma impressão equivocada que tive, desculpe-me. Não, o O_PAZ__CIENTE, jamais tive essa pretensão de fazer parte da política. Cargo político nunca esteve e nem está nos meus planos. Sei sim o que faz um vereador e para que foi eleito e é uma pena perceber que nesse quesito “atendimento a saúde” estamos tão mal representados por eles. Falo isso devido a esse seu comentário “Você parece ter um certo jeito de solucionar algumas questões, isso a faz uma candidata competente…porque não se junta ao meio político e passe a fazer a diferença”.? Será que não temos entre os atuais eleitos um que possa estar ciente e capaz de chegar junto ao prefeito e conversar sobre a necessidade de uma melhora nesse caso? É tão simples, convoquem uma reunião com o secretário da saúde e esses profissionais em assunto e os instruam a atender com mais dignidade alguém que já está tão debilitado. E isso é tão simples de ser corrigido, basta fazer o atendimento dignamente. Olhem para o paciente, dê atenção. Respeite-os ao serem atendidos fechando a porta do consultório e não os deixando passarem pelo constrangimento de terceiros verem e até ouvirem o ato da consulta (isso não no meu caso, pois nesse, a porta aberta também, porém não houve consulta). Minha indignação é justamente para isso, tentar abrir os olhos de nossos “representantes” e acredito sim, se mais pessoas tivessem essa atitude muita coisa passaria a mudar em nosso cenário político. Não estou aqui desmerecendo a política num todo, nesse momento falo especificamente da saúde pois foi lá que me senti desrespeitada e por isso me indignei tanto a ponto de expor a questão nesse blog, o qual o fiz por ter muito respeito pelo mesmo. Acredito que já estou fazendo a diferença quando faço aqui minhas colocações. Sei sim O_PAZ_CIENTE o que faz e para que serve um vereador num município, mas não quero entrar nesse assunto contigo, pois daria muita conversa, já que infelizmente não estamos tão bem representados assim, talvez até por despreparo de alguns, como vc sugeriu uma possível entrada minha para o cenário político para discutir questões locais e leva-las ao prefeito quando vemos situações berrantes e eles parecem não compreender. Qdo postei minha Carta ao Leitor, jamais imaginei estar discutindo isso com vc dessa forma. Queria mesmo era que os leitores desse blog tomassem conhecimento da minha indignação e que pessoas como vc também ficassem sabendo, além do que, sei que pessoas do meio político e representantes da mesma saberiam disso. Queria mesmo é que essa profissional que passou um tempo da sua vida num banco de faculdade para se formar numa profissão tão nobre aprendesse a honrar esses anos de estudo e essa profissão e sabe como? Tratando as pessoas como seres humanos sensíveis e não como meros “animais” quase irracionais. Como você disse, os assuntos internamente tratados são mais fáceis de serem resolvidos é isso que gostaria de ver praticado pelos representantes eleitos que já temos e sabem dessa situação. Penso que dentro desse comentário todo lhe respondi ao questionamento “Você compreende a função de um vereador ? compreendendo , lhe pergunto…quantos a exercem de fato”? e mais na sua resposta vc já diz que se esses quisessem ajudar a solucionar casos assim o fariam já que fazem parte do pessoal interno da gestão atual no caso.
      Já estou mostrando o que está errado como alguém que está de fora ao postar tudo isso aqui. Não tenho idéia de quem seja vc, mas sei que assim como eu quer o melhor para todos que procuram os serviços públicos em especial na área da saúde, pois quando vamos lá é porque precisamos de fato e num momento onde nossas sensibilidades estão ao extremo e justamente por isso o atendimento tem que ser digno e respeitoso.
      O_PAZ_CIENTE obrigada por me dar a chance de falar mais sobre esse assunto e pode apostar, se nessa política eu tiver a oportunidade de encontrar prefeito e vereadores já eleitos e outros que irão disputar cargos para a próxima gestão e esse encontro não for no meu ambiente de trabalho estarei expondo pessoalmente a eles a minha indignação.

  2. Já está concluído o processo licitatório para a aquisição de uma Ambulância 0km, um veículo Uno 0km, um Desfribilador Cardíaco, cinco Computadores com Impressoras, através de recurssos liberados pelo Ministério da Saúde, oriundos de Emenda Parlamentar do Deputado Federal Alfredo Kaefer, num valor de R$100.000,00 (cem mil reias). As aquisições devem ser entregues brevemente para melhorar a qualidade dos serviços prestados pela a área de Saúde

    • Pena que essas aquisições não podem fazer nada quanto a indignação dessa postagem (Carta ao Leitor), pois existem péssimos atendimentos que não estão na falta de veículos e equipamentos, mas sim no descaso ao atendimento aos pacientes como foi nesse caso. De qualquer forma, valeu su informalção Paz–Ciente, pelo que vemos, estás muito bem informada…

      • concordo …nesse ponto de vista, mas equipamentos como estes farão sim diferença ,precisamos de investimentos na qualificação profissional dos servidores , fazendo que os serviços por eles prestados seja a cada dia mais satisfatórios perante a população.Não a conheço, mas como tenho visto muitos comentários em muitos assuntos…acho que você deveria organizar um grupo de pessoas e formar uma associação para de fato ajudar …responda …esse poderá ser o momento certo para isso…

        • Sim, equipamentos como esses fariam e farão a diferença no atendimento, desde que como muito bem exposto por você, haja qualificação profissional e mais, a conscientização dos mesmos em tratar as pessoas com respeito e dignidade no momento do atendimento. Quanto a sua sugestão de organizar um grupo posso lhe garantir que não faz parte de planos meus. Até porque, acredito eu, que existem departamentos para cuidar dessa parte. Tenho certeza que esse departamento não só tomou conhecimento desse fato através desse blog como sabe de outras questões envolvendo questões como essa. Sendo assim, não será preciso organizar grupos, basta a quem de direito reunir-se com tais profissionais e “ensinar-lhes” (entendam bem, generalizei a frase, porém minha reclamação nesse caso, é contra essa médica, pois já tive familiar atendido por outros profissionais e não tiveram a mesma conduta dela. O momento certo para isso “O. PAZ__CIENTE” é esse, é o momento em que as administrações funcionarem de fato, fazendo fiscalizações nos ambientes de trabalho. Colocando um espaço onde as pessoas possam fazer suas reclamações e/ou denúncias e essas sendo levadas a sério, ou seja, chequem-as e vejam se elas fazem sentido de fato e então tomem as devidas providências. Entenda que ao fazer essa reclamação eu não tive a intenção de chamar a atenção para mim esim para a falta de ética dessa profissional quem nem a porta do consultório fecha ao atender o paciente, expondo-o a outras pessoas que estão na espera de atendimento. Minha intenção é que o senhor secretário da saúde converse, fale com esses profissionais e os façam compreender que quando procuramos os serviços deles já estamos passando por um momento complicado e por isso merecemos o mínimo de respeito.

          • Você expressa bem o que deseja,explica de maneira compreensível seu ponto de vista.Porém quando sugeri que criasse um (grupo),seria com a finalidade de ajudar , não para resolver problemas de departamentos.,,mas sim para ajudar pessoas com pouca instrução,que, quando estão em necessidades e procuram atendimento em serviços públicos ou não,(pessoas que não teriam condições de pagar) e nem conhecimento de seus direitos,,seria um grupo de vivencia que ajudaria de fato…o que vc acha ?

          • Vou postar aqui por falta de espaço (risos)

            Mesmo parecendo-me um tanto “zombador”, obrigada por dizer que me expresso bem, embora eu não veja dessa forma, pelo contrário…, apenas tento colocar minha opinião em determinados assuntos e de forma muito particular nesse, já que o fato aconteceu comigo e minha família.

            Essa sua sugestão de criar um grupo tomei-a como uma provocação da sua parte, embora não o conheça, percebo que minhas postagens aqui lhe são um pouco pertinentes e por isso parecem-me lhe incomodarem um pouco, desculpe-me se eu estiver equivocada, mas é o que me parece.
            Primeiro, jamais tive essa pretensão de representar alguém em grupo, acredito mesmo que se cada um de nós fizer a nossa parte estaremos ajudando a resolver boa parte dos problemas como nesse caso por exemplo e acho que não é preciso eu discursar aqui para dizer onde e como estaríamos ajudando ao fazermos nossas reclamações e reprovações. Não está na minha formação representar ou o que valha pessoas que se sintam ofendidas e/ou desrespeitadas nos seus direitos. Acredito ser bem mais prático e imparcial a própria administração cuidar dessa parte. Se vc ler com atenção postagens aqui colocadas irá verificar que é muito mais simples e prático o município utilizar de suas obrigações e instruir seus profissionais do que uma ou dezenas de reuniões com pessoas que se sentem prejudicadas nos seus direitos. Até porque pessoas com pouca instrução (como vc qualificou aqui) sentem medo até de olhar frente a frente com um profissional como essa mencionada na Carta ao Leitor. Eles acreditam que porque não estão pagando o serviço é gratuito e mal sabem que todos nós brasileiros temos nossa porção no salário dessa profissional que já foi paga por nós a cada contribuição de impostos que fazemos ao governo.

            Nada mais justo do que pessoas que recebem salários dentro de seus departamentos trabalharem em prol de seus perfeitos funcionamentos, se for para agirmos conforme seu pensamento e sugestão os departamentos deveriam ser extintos e apenas o prefeito, uma secretária e quem sabe um assessor de plantão para receber as critica e/ou até mesmo sugestões dessas tais grupos, mas sabemos que não é assim e por isso deveríamos sim, cobrar desses departamentos um bom trabalho. Não seria preciso os menos instruídos saber de seus direitos se os profissionais que os servem os sabem colocassem em prática seus conhecimentos. A verdade é que alguns nos tratam mal justamente por isso, por não ter um “patrão” que os cobre e mostre-os o porquê são pagos seus salários e o porquê deles estarem ali.

            Não sei quem é você O – Paz—Ciente, mas acredito que seja alguém que também possa ajudar de alguma forma, talvez até com acesso junto a pessoas que possam olhar com carinho para essa questão em particular e quem sabe, fazer o diferencial nessa área em São João do Ivaí. Aceitar a crítica é o melhor caminho para se trabalhar em qualquer departamento. A crítica pode nos fazer sempre melhores e só estou postando esses comentários aqui porque na ocasião me senti desrespeitada nos meus direitos e indignada pela falta de respeito. Eu e minha irmã ficamos tão perplexas no ato que meu único argumento foi dizer: É coisa de louco isso! Ufaaaaaaaaaa!
            Não estou aqui para fazer inimizades, apenas utilizei desse espaço para expressar minha indignação, já que falta esse espaço junto aos órgãos municipais por exemplo.

  3. ola eu também queria,relatar algo que aconteceu comigo,eu estava muito mal estava com hemorragia,e fui ao centro social,eu estava suando frio e me sentia muito fraca,e perguntei se avia fixa então a atendente me informou que só avia uma DR; atendendo, e que só estava atendendo criança,então eu disse a ela oque estava acontecendo comigo, e ela me pediu que eu aguardasse um pouco,eu aguardei um pouco e como não estava aguentando ficar de pé voltei a perguntar a ela se ela já tinha uma resposta para mim, e ela me disse que eu aguarda-se mais um pouco,então por contra própria fui ao hospital e chegando la relatei oque avia acontecido,e ai a atendente mandou que eu esperasse mais um pouco,eu aguardei, e toda mulher sabe que quando temos uma hemorragia,e muito desconfortante,aguardei por mais um estante e logo a Dr: de pratão veio,e percebi que a atendente relatou a ela o fato, ela simplesmente resmungou algo,e saiu de la, e fiquei esperando que ela fisese minha fixa, mais nem meu documento ela pediu,então com dor e me sentindo mal me levantei e fui embora,fui ate uma farmácia e relatei o meu problema e ele me medicou,fiquei 2 dias de cama,mais não retornei ao hospital e essa não e a primeira vez que isso acontece comigo,ate quando vamos passar por esse descaso,minha amiga foi ao mesmo na noite anterior e passou pelo mesmo descaso,isso e uma vergonha,somos pagadores de impostos,merecemos o minimo de respeito,somos cidadão e exigimos o minimo de respeito,pois nós não podemos desacatar,nem um funcionário da saúde,mais será que nos podemos ser desacatados?aqui fica minha indignação,por ser uma cidadã de são joão do ivaí grato pela atensão

  4. Antes de postarem apenas criticas de revolta,com ou sem razão,pense será que não há realmente nada de bom para dizer?será que em nenhuma hipótese vocês já foram bem atendidos?ajudem,e quando achar que é chegada a hora …agradeça …

    Obrigado, Doutor! Pela sua sapiência e pela paciência também. Obrigado pelas palavras de conforto que pronuncia nos momentos de incertezas. Obrigado pela disponibilidade e amabilidade. Pelas vezes que, angustiado, bati à sua porta e ela se abriu para mim, como por milagre. Obrigado por ser atencioso, cortês e realista diante dos fatos. Por cuidar com destreza desta coisa tão frágil que carrego comigo – a vida! Pelas vezes que o despertei no meio da noite, para mitigar um problema inesperado. Obrigado quando dominando o seu cansaço domina também a minha dor e angústia, no desespero por uma ajuda. Pelo seu olhar magnânimo e pela vontade de ajudar e transpor obstáculos. Quando nos últimos recursos encontro suas mãos imantadas pelo calor humano. Obrigado pela sua coragem que contagia minha fraqueza. Obrigado por ontem, por hoje e pelo amanhã. E por sua amizade sincera, sem fronteiras. Deus, Vós que sois o médico dos médicos, daí a todos os médicos e médicas a sabedoria que cura, a dignidade que encoraja e o amor que é a luz da vida. Amém.

    • Muito bonitas e poéticas suas palavras Paz–Ciente que tenho minhas dúvidas se és tão cientes assim. Seu discurso foi bonito, mas pergunte para a maioria dos que buscam os serviços do SUS em geral se tem essa liberdade ou até mesmo tempo de dirigir-se ao médico (a) que o atende com uma palavra de agradecimento? Existem sim, profissionais que nos atendem com respeito e atenção devida(minoria da minoria) mas pra um discurso como esse que vc fez, afffff, não deve ser profissionais que atendem na rede pública de nosso País e os que existem, não tiram p mérito das críticas aqui feitas em especial a essa “doutorinha” que se acha…

      • Marta…não a conheço, mas certamente você deve ser uma pessoa bem formada, pois para falar dessa maneira de uma ou mais pessoas que estudou muito para se tornarem Médicos, para passarem por situações constrangedoras ao ver que certas pessoas não respeitam sua capacidade profissional ,embora muitas vezes resolvam as situações de muitos pacientes ,às vezes pelo fato de a saúde pública no BRASIL estar DOENTE, acontece nesta cidade ,como em muitas outras falhas, falhas como as que VOCÊS cobram,mas cobram de maneira erronia ,criticam o profissional como se o mesmo fosse responsável pela omissão do ESTADO frente à saúde dos brasileiros.MOBILIZEM-SE PARA AJUDAR,NÃO APENAS PARA CRITICAR.vejam quantas pessoas são atendidas diariamente,não seria possível que todas saíssem satisfeitas…não dá para solucionar os problemas de todos como todos gostariam.,mas agradecimentos não precisam ser poéticos, basta um OBRIGADO DOUTOR, você tentou…

        • Paz-Ciente, meu desabafo aqui não refere-se ao atendimento do SUS como vc de forma errônea afirma. A falta de ética dessa médica ao atendimento a ´mim e minha família não tem nada a ver com o sistema falho do governo. Minha crítica a essa “profissional” é única e exclusivamente a falta de ética dela. Vc não entendeu o conteúdo do meu comentário na Carta ao Leitor. Falta de ética e respeito não tem nada a ver com o SUS em sí, isso está no cárater de cada um. Sua ironia só me faz lhe dar uma resposta: Nesse caso posso lhe dizer que acabei de me formar e com experiência já ao não ser atendida num momento que precisei tanto e não deixei de ser atendida por ser SUS, deixei de ser atendida por irresponsabilidade da tal “doutora”. Acho que vc devia compreender melhor comentários postados para depois emitir sua opinião.

          • E mais, agradeci a dita cuja sim, ante a falta de ética dela ela ainda ouviu um “Obrigada”, agora pergunte a ela como era a paciente que estava no consultório dela, ela não saberia dizer, pois não olhou na cara. Paz-ciente, eu não estaria nesse blog fazendo a crítica que fiz a ela gratuitamente, se estou fazendo é porque sei do que estou falando.

  5. Nossa, quanto ABSURDO… estou fora de SJI há anos, mas sempre atualizada de tudo que acontece aí… Realmente mto sabias as palavras do NANA, nós sabemos nos defender desses maus profissionais, tenho pena é de pessoas menos oportunadas, ou menos instruidas que nós,,,, temo pelos meus parentes e conhecidos que ainda moram em SJI, é realmente uma pena ver uma cidade assim, onde as pessoas pensam que tudo É POLITICA.
    POR FAVOR !!!!!!!!!!!! AO SENTIREM-SE LESADOS,mau-tratados, PROCUREM A PROCURADORIA, A DEFENSORIA PÚBLICA NO FÓRUM …. VOCÊS TÊM DIREITO AO ATENDIMENTO JUSTO, HONESTO, E DE QUALIDADE…. VOCÊS PAGAM POR ISSO…. E MTOOOO COM TODOS OS IMPOSTOS QUE TEMOS…. FAÇAM JUSTIÇA;;;

  6. Há tempos que a saúde em São João do Ivaí preocupa. Acredito que até há boa vontade de alguns profissionais, porém outros pararam no tempo. Tenho a impressão que alguns médicos não se atualizaram e não estão nem um pouco preocupados em se aperfeiçoarem.
    No ano de 2009, meu pai foi internado de madrugada no Hospital Municipal de São João do Ivaí, sentindo dormência pelo corpo, pressão alta, dificuldades para falar e para respirar, sentindo uma enorme pressão na cabeça. O médico de plantão – que desde que me conheço por gente trabalha como médico em SJI – diagnosticou que ele estava com nevralgia facial e que logo ficaria bem. Mesmo com a insistência da família, que percebeu que o caso não era simples, esse médico se recusou a transferi-lo para Ivaiporã.

    Somente às 18 horas, quando mudou o plantão, a médica que assumiu percebeu que o caso era grave. Ela o transferiu para Ivaiporã, finalmente! Só que isso aconteceu 14 horas depois do meu pai dar entrada no hospital, quando apresentou os primeiros sintomas.
    Chegando em Ivaiporã, meu pai foi direto para a UTI. Logo diagnosticaram que ele teve um Acidente Vascular Cerebral -AVC, popularmente conhecido como derrame cerebral, e pela demora no diagnóstico a chance dele eram mínimas. Disseram que a família não deveria ter esperanças, que deveríamos nos preparar para o pior. Ouvir isso foi como se tivessem tirado o chão sob os meus pés. No dia seguinte meu pai entrou em coma e a família ficou ainda mais arrasada.

    Depois de muito sofrimento, em 25 dias internado na UTI – sendo 14 deles em estado gravíssimo – surpreendendo até mesmo os médicos, meu pai se recuperou. Porém, hoje não pode mais trabalhar e a qualidade de vida não é mais a mesma. Enfim….o médico que o atendeu, com tantos anos de experiência, não teve conhecimento suficiente para diagnosticar logo de início o AVC.

    O que mais me surpreende é que hoje os sintomas do AVC são muito divulgados, não precisa ser médico para saber reconhecer. E nós da família chegamos a perguntar ao médico se não era isso e ele afirmava com toda a certeza que não.

    Não perdemos o meu pai e agradecemos a Deus todos os dias por isso e a todas as pessoas que oraram por ele. Mas me pergunto se o médico tivesse diagnosticado desde o início o AVC se hoje eu teria o prazer de voltar a ver meu pai sorrir como antes. Porque o sorriso dele já não é mais o mesmo, e isso dói muito.

    Sempre questiono como pode um médico não saber reconhecer um AVC? Há tantas informações sobre o assunto, campanhas que divulgam os sintomas e deixam claro que para uma pessoa que sofre um acidente vascular cerebral cada minuto faz toda a diferença. Será que realmente o que faltou para esse médico foi informação ou faltou boa vontade para dar a devida atenção a um paciente que precisava de ajuda? Quanto descaso com a Vida!!!!

    Espero que esse comentário seja publicado…

    Obrigada!

    • Rosana compreendo-a perfeitamente. Também me admira certas atitudes de alguns médicos, pois hoje ao ter minha mãe com sequelas decorrentes de um AVCI minha família e eu já adquirimos experiência pra saber algumas coisas sobre a doença e exatamente por essa experiência é que procuramos o atendimento e esse não foi feito pela médica, já que não nos perguntou nada, apenas falou. No fundo sabe o que falta? HU-MA-NI-DA-DE por parte de muitos profissionais, inclusive os que trabalham no SUS por acreditarem que nos prestam um serviço gratuído e que se fosse gratuído, ainda assim todos merecem respeito. Muito boa sua postagem. São João não precisa de médicos de nomes/famosos, pois nem comporta um profissional desse gabarito. São João precisa de profissionais que quando não tem como comprovar o diagnóstico não esperem o quadro do paciente evoluir para encaminhar a Ivaiporã, mas façam o encaminhamento a tempo de vidas serem salvas e/ou com menos sequelas possíveis. O nosso maior problema aqui é em muitos casos demoram encaminhar como foi o caso do seu pai.

  7. Esses Dias Tabem Fui no Hospital Consultar,entrei na sala para a consultar e fiquei acho que uns 5 minutos,e a unica coisa que a Dotora perguntava era porque eu ñ tinha ido para o Sus,isso porque na hora que eu estava preenchendo a ficha a recepsionista fou que ñ tinha mais ficha no Sus ela estava do lado e escuto…então resumindo:Ela ñ tava querendo me atender disse até que o Hospital é para atender pessoas
    agreve mente feridas e muito mal,e qual é esse mal que ela diz:é a pessoa estar ja quase morrendo….
    Isso è humilhante para uma Cidade a qual esta até aparecendo
    nas emissoras de tv…

    • É bem isso mesmo Charline, o grave para ela é estar entrando em óbito, então encaminha pra Ivaiporã e o doente morre a caminho. Algo precisa mudar, já que não temos outro hospital na cidade pra poder nos atender. Não temos opção e por isso precisamos urgente de rever esse quadro e melhorar o atendimento feito por essa “doutora”.

      • Houve muitos avanços na área da saúde nos ultimos anos em nossa cidade,mas é claro que precisamos melhorar ainda muitas coisas! vamos relembrar, antiguamente não tinhamos nem hospital(há 8 anos), nós tinhamos q pagar 50 reais para ser atendidos depois das 18 horas , os pacientes eram transportados por opalas adaptados de ambulância, sendo que o prefeito da epóca era MÉDICO,ou seja um ABSURDO!
        No brasil, nos ultimos 6 anos houve uma escassez de médicos que querem trabalhar no interior , pois com as especializações eles tendem a ficarem nos grandes centros , com isso “sobra“ para o interior os médicos menos especializados e ,consequentemente, menos qualificado!Além disso os salários subiram exorbitantemente, com isso as pequenas pequenas prefeituras não conseguem contratar os numeros de médicos nessários , muito menos os qualificados! já que na maioria dos bons médicos querem ficar nos grandes centros ,pois tem maiores perspectivas profissionais.
        Portanto,é claro que as autoridades municipais tem que fiscalizar esses profissonais da saúde visando melhor atendimento. Mas, é preciso ter um bom dialogo e “jogo de cintura“ dos administradores com os médicos, pois com a escassez de médicos,o “sair demitindo“pode causar sérios danos na saúde publica da cidade.
        Essa é a realidade atual dos pequenos municipios brasileiros.

        • Renata, a minha indignação colocada no e-mail Carta do Leitor não tem nada a ver com esse comentário (meio político) que você fez. Não estou aqui fazendo política e nem pedindo a demissão da tal profissional. Apenas demonstrei minha revolta pelo péssimo atendimento e falta de profissionalismo da parte dela. Ela é capaz de numa boa conversa entender e aprender como deve tratar seres humanos. Acrescento ainda que não é porque os municípios pequenos tem dificuldades de contratar bons profissionais que nós eleitores, pagadores de impostos e acima de tudo SERES HUMANOS temos que aceitar sermos tratados como plantas daninhas, nem falo como cachorros, pois esses também merecem nossos respeitos ao tratá-los. É tãofácil sermos educados com alguém! É tão simples uma pessoa com um grau superior tratar as pessoas com atenção devida e nesse caso, ela tinha obrigação já que é pagae bem paga pra isso. Não aceito seu comentário como justificativa para essa que~stão, aceitaria sim, se aqui tivesse sendo discutido o SUS de modo geral que bem sabemos é um câncer no Brasil, mas nesse caso específico foi a falta de respeito mesmo e isso é particular dela e não do SUS como um todo.

          • Marta,concordo contigo que todos os profissionais, principalmente os da saúde tem por obrigação atender com respeitos os usuarios do SUS, bem como também tem que haver a reciprocidade no tratamento.
            Eu so não quero que por causa de um funcionário seja desqualificado o setor de saúde da nossa cidade.Visto, que por ser ano eleitoral,pessoas oportunista(QUE NÃO ENTENDE NADA DA ÁREA DE SÁUDE), tendem a usa-lá para fazer política criticando e defamando o restante dos profissionais que trabalham no setor de saúde de S.J.I.
            Como o tal professor está fazendo, dizendo que “a saúde de são joão está um descaso“.Ainda bem que grande parte da população já conhecem sua personalidade….Sendo assim ele não tem credibilidade para defamar nós profissionais da saúde da cidade

          • Sandro Armelin da Silva - Naná

            Olá Marta, peguei carona aqui para fundamentar as argumentações da Renata feitas abaixo, pois não sobra mais espaço para resposta na pergunta dela. Abraço e obrigada.

            Renata, você sabe que te conheço, entretanto, digo o seguinte: quem esta aproveitando do momento eleitoral é você, haja visto que, no setor da saúde municipal desconheço um servidor público com o nome “Renata”. Você esta tentando pôr funcionários do setor de saúde contra mim, mas fique tranquila que tudo tem o seu momento e a verdade firmará. Ratifico que a população realmente conhece o meu perfil e isto ficará evidente num futuro próspero. Quanto aos profissionais da saúde que me conhecem, tenho convicção que sabem do respeito e carinho para com eles. O que nos deixa arrasados é o fato do descaso por parte de alguns profissionais deste setor para com as pessoas enquanto cidadães. Renata não se engane e nem engane a outrem, pois, sou professor com muito orgulho apesar de mal remunerado, sou especialista em Ciências Fisiológicas pela UEL, estou fazendo mais uma pós na área especial e iniciei mais um curso de nível superior, portanto, tenho como me lançar na vida sem medo de errar. Agora tente imaginar aquelas pessoas mais simples que não sabem se defender e que são ludibriadas por pessoas assim como você. Como fazer para ajuda-los a serem reconhecidos? O minimo a se fazer é pelo menos trata-los com dignidade e lealdade.

        • Renata, quero deixar muito claro que minha critica não tem nada a ver com politicagem, até porque não me envolvo nesse meio. Política talvez eu esteja fazendo no sentido de um dos significados da própria palavra que é: “Arte de bem governar povos” e um tratamento com respeito no setor público é isso também e é justamente o que desejo ao me indignar quando somos desrespeitados e humilhados por pessoas do cárater dessa médica.Deixo claro que não sou política e não fiz a crítica com intenção de denegrir politicamente a imagem de quem quer que seja e sim abrir os olhos das pessoas responsáveis e cuidar melhor desse setor chamado “educação” dos profissionais da saúde que nos atendem e nesse caso chamo a atenção para essa senhora e não o geral dos atendimentos que por sinal, já fomos muito bem atendidos por outro médico que trabalha no HM. Meu protesto fique claro é contra o atendimento que tivemos por essa médica em particular.

  8. ISSO MESMO AS PESSOAS TEM QUE RECLAMAR, COM SAUDE AGENTE NAO SE BRINCA, DENUNCIAR ESSES PÉSSIMOS PROFISSIONAIS, SE ESSA DRA. NAO ESTA CONTENTE NO QUE FAZ, PROCURA OUTRA PROFISSAO, SE É QUE ELA MERECE SER CHAMADA DE DRA. DEVERÍAMOS CHAMA-LOS DE AÇOUGUEIRA É UM ABSURDO ISSO COM PESSOAS QUE TRABALHADOURAS, QUE PAGAM O SALARIO DESSA MAL PROFISSIONAL.

    • Sandro Armelin da Silva - Naná

      Olá Matilde, você disse acima o seguinte: “SE É QUE ELA MERECE SER CHAMADA DE DRA.” Observei que aqui em São João do Ivaí, muitas pessoas estão usando a titulação Doutor, mas para que a pessoa realmente receba esta titulação, precisa não só estudar uma pós em nível de doutorado como também concluir a mesma. Por exemplo: sou especialista em Ciências Fisiológicas na área de dor muscular para atletas amadores de futebol de campo, portanto, sou “especialista” nesta área. Se por ventura quiser receber a titulação de mestre ou doutor, terei que estudar outra pós em nível de mestrado ou doutorado. Se por um lado existem profissionais usando titulações a qual não fazem jus, por outro lado podemos afirmar que fazem propaganda enganosa.

      • Uma pessoa que estudou

        Caro senhor Sadro Armelin da Silva, se o senhor realizar uma pesquisa rápida, perceberá logo que profissionais na área do DIREITO e MEDICINA, apesar de não possuirem o título de Doutor, são assim chamados, e reconhecidos perante a sociedade, com base na história do Brasil, pois no início do século XX os fazendeiros diziam a seus filhos “vocês estudarão para serem doutores”, a os unicos cursos no Brasil na época era Medicina e Direito. POrtanto, é perfeitamente aceitável chamar profissionais destas áreas de Doutores, com base nos usos e costumes.

        • Sandro Armelin da Silva - Naná

          Concordo com sua argumentação, mas, para que a transformação de conceitos ocorra, necessitamos de mais informações consolidadas em lei assim como fizeram nossos colegas da enfermagem.
          Precisamos obstaculizar os preconceitos, elucida-los através da educação e finalmente coroarmos o conceito.

          A educação não só possibilita a “epistemologia” como também obstaculiza a “doxa”, e convém ressaltar que se por um lado a educação propicia o “conceito”, por outro lado silencia o “preconceito”. Sandro Armelin da Silva (2012).

      • Em resposta ao seu comentário Equivocado.

        RESOLUÇÃO COFEN-256/2001Tamanho da Letra
        -A
        +A Número: 256
        Ano: 2001
        Resenha:
        Autoriza o uso do Título de Doutor, pelos Enfermeiros.
        O Conselho Federal de Enfermagem-COFEN, no uso de suas competências e atribuições legais;

        CONSIDERANDO que o uso do título de Doutor, tem por fundamento procedimento isonômico, sendo em realidade, a confirmação da autoridade científica profissional perante o paciente/cliente;

        CONSIDERANDO que o título de Doutor, tem por fundamento praxe jurídica do direito consuetudinário, sendo o seu uso tradicional entre os profissionais de nível superior;

        CONSIDERANDO que a exegese jurídica, fundamentada nos costumes e tradições brasileiras, tão bem definidas nos dicionários pátrios, assegura a todos os diplomados em curso de nível superior, o legítimo uso do título de Doutor;

        CONSIDERANDO que a não utilização do título de Doutor, leva a sociedade e mais especificamente a clientela, a que se destina o atendimento da prática da enfermagem pelo profissional da área, a pressupor subalternidade, inadmissível e inconcebível, em se tratando de profissional de curso superior;

        CONSIDERANDO que deve ser mantida a isonomia entre os profissionais da equipe de saúde, e que o título de Doutor é um complemento, ou seja, um “plus”, quanto a afirmação de um legítimo direito conquistado à nível de aprofundamento de uma prática terapêutica, com fundamentação científica;

        RESOLVE:

        Art. 1º- Autorizar aos Enfermeiros, contemplados pelo art. 6º, incisos I, II, III, IV, da Lei 7.498/86, o uso do título de Doutor.

        Art. 2º- Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se disposições em contrário.

        Rio de Janeiro, 12 de julho de 2001
        Gilberto Linhares Teixeira
        COREN-RJ Nº 2.380
        Presidente João Aureliano Amorim de Sena
        COREN-RN Nº 9.176
        Primeiro-Secretario

        .

        • Sandro Armelin da Silva - Naná

          Caros enfermeiros, verifiquei a lei em questão e realmente procede a titulação de “Doutor”.
          Obrigado por esta valiosa informação e por contribuírem com minha formação epistemológica.

  9. Sandro Armelin da Silva - Naná

    Olá…
    o fato acorrido não é o primeiro, com minha mãe o atendimento foi igual e pela mesma médica, já com meu pai foi pior, pois ele poderia estar numa cadeira de rodas por negligencia, imperícia e imprudência de um outro médico. Na ocasião tive que levar minha mãe para tirar o espinho de sua mão em Barboza Ferraz e meu pai tive que leva-lo para Cianorte e fazer uma tomografia computadorizada que constatou fraturas na coluna vertebral e sua medula sendo pressionada por fragmentos de ossos que por pouco não resultou numa lesão maior devido ao atendimento sem a execução dos procedimentos médicos/hospitalares pelo médico de plantão.
    Atualmente observamos o descaso com a saúde pública e isto também é de responsabilidade do Secretário de Saúde e do Prefeito. Este descaso com sua mãe é prova de que a Saúde Pública de São João do Ivaí precisa ser denunciada em órgãos superiores para a abertura d’uma Comissão para investigar o setor. Aproveito para solicitar ao Secretário de Saúde e ao Prefeito Municipal para que liberem a cirurgia da senhora que mora no sítio do japonês e que se encontra com os órgãos internos para fora através do órgão genital. Removam a senhora Anadir para atendimento de saúde urgentemente, pois, ela relatou aos prantos que não aguenta mais a situação e gostaria de ser tratada com dignidade. Afinal saúde é direito de todos e garantido por lei!

  10. Adorei essa mensagem. Minha família também tem mas lembranças dessa mesma plantonista, quando levei meu pai com dores fortes na barriga e ela disse que eram gazes, deu a ele um copo de água quase fervendo e mandou para casa. A dor não passou e de madrugada tivemos que levá-lo para outro hospital que imediatamente foi diagnostica, ainda em consulta, com estrangulamento do intestino, foi para o centro cirurgico e retirou 20 cm do intestino. Hoje ele está ótimo, porém se fosse por essa plantonista ele já não estaria mias entre nós.
    Responsáveis, tomam providências, por favor!!

    • Obrigada a cada um de vocês que estão sendo solidários comigo nessa postagem. O bom seria se cada pessoa que foi mal atendida por essa profissional denunciasse o mal atendimento. Não estamos exigindo nada além, apenas respeito e que essa profissional faça jus ao salário que ela recebe. Esse tipo de profissional tem que ser erradicado do ambiente hospitalar, ou seja, profissionais desse tipo precisa aprender a ter respeito pelas pessoas e não tratá-las como se fossem uma erva daninha onde se aplica um herbicida e sana o problema. Obrigada de coração a cada um que está demonstrando seu descontentamento e por termos esse espaço para desabafarmos.

Deixe uma resposta