Pescadores denunciam poluição no Ivaí

Por Edison Costa – Tribuna do Norte – Diário do Paraná

Pescadores profissionais do Distrito de Porto Ubá, no município de Lidianópolis, estão preocupados com a poluição desenfreada que afeta o Rio Ivaí, que é o maior manancial da região. Segundo eles, apesar de toda uma campanha de conscientização feita junto à comunidade, o rio continua recebendo descargas de embalagens de agrotóxicos, latas de cerveja, de refrigerantes e garrafas Peti, lixo doméstico, além de outros entulhos e enxurradas das propriedades rurais que acabam levando terras envenenadas para dentro do manancial.
O secretário executivo da Associação dos Pescadores de Porto Ubá, Marildo Oliveira, diz que a categoria tem feito a sua parte no sentido manter limpo o Rio Ivaí e preservar as suas margens. No entanto, segundo ele, não há colaboração por parte de alguns proprietários rurais e nem de pescadores amadores.


Desde 2006 até o ano passado, conforme Marildo, os pescadores profissionais de Porto Ubá, em conjunto com a Prefeitura, Câmara de Vereadores, escolas e representantes de órgãos ambientais, já fizeram seis arrastões de limpeza do Ivaí no trecho que vai de Grandes Rios até Borrazópolis e São João do Ivaí. Neste período foram retiradas das águas em torno de 10 toneladas de lixo. Pelo menos 40% deste total corresponde a embalagens de agrotóxicos.
Desde 1995, os pescadores também fizeram o plantio de 80 mil mudas de árvores frutíferas e nativas às suas margens e de afluentes como os córregos Guaimbê e Barra Preta. Ao mesmo tempo, a associação fez o lançamento de 3 milhões de alevinos nas águas do Ivaí visando o seu repovoamento, principalmente das espécies corimba, pacu, piapara, piracanjuba, dourado, pintado e lambari.

Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Ola Roque, os pescadores estão preocupado com a poluição dos rios, pois eu também estou, mais eu já vi pescador deixando seus lixo na beira do rio ivai os lixo era sacolas plasticas garrafas pet e aqueles restos de linhas emaranhados que pode enrolar nos pés de bichos ali na beiras dos rios.

Deixe uma resposta