Caramujo Africano preocupa autoridades sanitárias de Quinta do Sol

Jornal Enfoque Regional

Em Quinta do Sol, a infestação de caramujos-africanos tem se tornado novamente um problema de saúde pública na cidade. De acordo com o responsável pela Vigilância Sanitária do município, o veterinário Leonardo Lazzaretti Romero, é necessário ter cuidado no manuseio para eliminação do caramujo a fim de evitar acidentes. O caramujo-africano pode causar contaminação por dois tipos de microorganismos, que podem causar meningite, cegueira e problemas intestinais graves.
Para realizar o controle do caramujo-africano, toda população deve estar envolvida, cuidando dos seus quintais com a catação do molusco com luvas e sacos plásticos, para evitar contato com o animal. Os caramujos recolhidos devem ser esmagados, coberto com cal e enterrados ou encaminhados à Vigilância Sanitária do município.
O caramujo africano foi introduzido no Brasil, de forma ilegal na década de 1980, por produtores rurais que buscavam alternativas mais rentáveis para substituir o escargô (molusco muito apreciado na França, como iguaria gastronômica). Entretanto, o negócio não apresentou rentabilidade e os caramujos foram abandonados, proliferando-se rapidamente por não haver predadores naturais.
Com cerca de 15cm de comprimento e aproximadamente 200g, o caramujo-africano é um molusco grande e escuro. Multiplicam-se rapidamente, um caramujo bota aproximadamente 400 ovos ao ano. São encontrados em locais úmidos e sombreados, em cantos de muros e paredes onde não tem grande incidência de luz.

 

Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Rud Patrick de Oliveira

    Muito cuidado pessoal e vamos trabalhar juntos para evitar o pior! Deixem as criancas avisadas!

Deixe uma resposta