Saúde confirma que morador de Maringá morreu em decorrência de dengue hemorrágica

O Diário

A Secretaria de Estado de Saúde (SESA) confirmou que o morador de Maringá que morreu no última terça-feira (5) foi a óbito em decorrência da dengue. A vítima teve complicações no quadro clínico da doença, e deu entrada no hospital já com sinais de hemorragia. Trata-se da primeira morte por dengue registrada na Cidade Canção em 2013. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (11).

Agora, o Paraná soma nove mortes por dengue, já que houve a confirmação de três falecimentos neste boletim. Além do músico de Maringá, morreu no último dia 20 de fevereiro, por dengue hemorrágica, um homem de 66 anos que começou a apresentar sintomas de dengue no dia 15 de fevereiro. Dois dias depois, foi internado, e teve piora gradativa no quadro clínico, em Campo Mourão (a 92 km de Maringá).

Outro morador de Peabiru (a 76 km de Maringá), também de 66 anos, era fumante e tinha doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Foi internado na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital de Campo Mourão em 26 de fevereiro e morreu por dengue hemorrágica no dia seguinte.

Números

De agosto de 2012 até agora foram registrados 9.897 casos de dengue no Paraná, dos quais 56 evoluíram para a forma grave da doença.

Maringá, com 426 casos confirmados, é o quinto entre os municípios com maior número de casos confirmados. Os outros são Paranavaí (2.536), Peabiru (1.167), São Carlos do Ivaí (740), Campo Mourão (629), Fênix (443).

Neste novo boletim a sala de situação da dengue informa ainda que mais oito municípios entraram na lista de municípios com incidência de casos superior a 300 por 100 mil habitantes: Araruna, Campo Mourão, Jussara, Amaporã, Nova Aliança do Ivaí, Paraíso do Norte, Porto Rico e Terra Roxa.

2 milhões para combate à dengue

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, autorizou, em caráter emergencial, o repasse de R$ 2 milhões para apoiar 54 municípios em situação crítica para epidemia de dengue. Os recursos são do Programa de Qualificação da Vigilância em Saúde do Paraná (Vigiasus), lançado neste mês pelo governador Beto Richa (PSDB) para fortalecer as ações de Vigilância em Saúde em todos os 399 municípios. Em 2013 o Estado aplicará R$ 47 milhões no programa, dos quais R$ 30 milhões são para os municípios.

Na região da 15ª Regional de Saúde de Maringá, Colorado, Doutor Camargo, Ivatuba, Marialva, Paiçandu, Santa Fé e São Jorge do Ivaí receberão recursos.

Segundo Caputo Neto, o repasse está sendo antecipado por conta do período delicado que esses municípios estão passando. “O clima está colaborando para o avanço da doença. Queremos que com esse novo aporte, as prefeituras contratem mais agentes e coloquem toda a estrutura na rua no combate ao mosquito”, explica.

Os valores variam de R$ 27 mil a R$ 96 mil, de acordo com o porte do município, e podem ser aplicados na compra de equipamentos de proteção individual (EPI), testes rápidos para o diagnóstico da dengue, contratação de pessoal, entre outras ações de vigilância.

Problemas

Nos meses de novembro e dezembro, a Secretaria da Saúde aplicou um roteiro para avaliar a estrutura de combate à dengue disponível nos municípios. O relatório apontou que dos 28 municípios hoje em epidemia, 16 mantinham número insuficiente de agentes de combate à dengue. Este dado também reflete nos índices de pendência, ou seja, muitas casas não eram visitadas pelos agentes.

Além disso, janeiro foi um período de transição de prefeitos, o que pode ter acarretado na demissão de equipes. “Por isso, o ideal é que os agentes tenham vínculo empregatício estável, sendo contratados por concurso público”, ressalta o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz.

Outra falha identificada é o sistema de coleta seletiva municipal. 10 municípios não possuíam sistemas estruturados, o que contribui para a destinação inadequada do lixo reciclável.

O relatório mostra ainda que 13 municípios tinham déficit de veículos e equipamentos para o desenvolvimento das ações e 18 não mantinham comitês municipais de controle da dengue atuantes. Estes comitês são responsáveis por mobilizar gestores, comércio, indústria e população em geral para planejar e executar medidas que previnem a ocorrência de epidemias.

Para o superintendente, a resolução da maioria desses problemas demanda tempo e o momento é de ações de curto prazo. “Neste período agudo, a solução é promover arrastões de limpeza e conscientizar a população para manter suas casas livres de focos do mosquito”, afirma.

Sezifredo também destacou a importância da organização da assistência aos doentes. “Se tratado de forma correta, o paciente com dengue tem mais chances de cura sem que haja necessidade de internação”, diz.

Lista dos 54 municípios que receberão recursos:

Capanema

Planalto

Realeza

Itaipulândia

Formosa do Oeste

Ibema

Jesuítas

Barbosa Ferraz

Engenheiro Beltrão

Quinta do Sol

Roncador

Ubiratã

Alto Piquiri

Francisco Alves

Icaraíma

Iporã

Maria Helena

Mariluz

Perobal

Pérola

Tapira

Umuarama

Cianorte

Indianópolis

Jussara

São Manoel do Paraná

São Tomé

Alto Paraná

Diamante do Norte

Guairaçá

Inajá

Itaúna do Sul

Loanda

Mirador

Nova Aliança do Ivaí

Paraíso do Norte

Querência do Norte

Santa Mônica

São João do Caiuá

Tamboara

Terra Rica

Colorado

Doutor Camargo

Ivatuba

Marialva

Paiçandu

Santa Fé

São Jorge do Ivaí

Lupionópolis

Primeiro de Maio

São Sebastião da Amoreira

Guaíra

Nova Santa Rosa

Terra Roxa

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta