Trincas no Esmalte Dentário com Dr. Sergio Ricardo Monteiro

Dr. SergioQuem gosta de ingerir bebidas muito geladas ou muito quentes precisa tomar cuidado, pois o choque térmico pode provocar trincas no esmalte dos dentes.

As trincas de esmalte são um tipo de fratura dentária incompleta, limitadas a uma pequena parte do esmalte, sem perda de massa dentária. Essas trincas não causam nenhum problema, por isso são ignoradas e não demandam de nenhum tipo de tratamento. Geralmente elas só podem ser vistas sob iluminação intensa, quando a luz passa através do dente, podendo ser no sentido vertical ou horizontal.

Todas as pessoas possuem trincas nos dentes. Só não tem trincas de esmalte quem utiliza prótese. O fator mais comum para o aparecimento dessas trincas consiste na exposição do dente a variações bruscas de temperatura, como por exemplo, comer algo muito quente e em seguida ingerir uma bebida gelada. Outras circunstâncias que também provocam trincas são o bruxismo (hábito de ranger ou atritar os dentes) e o apertamento dental (hábito de apertar os dentes sem atritar).

O tratamento ortodôntico e o clareamento dentário não provocam e nem agravam essas trincas, sendo que sua presença não impede a realização desses tratamentos, visto que todo mundo tem trincas no esmalte. As forças geradas por um aparelho ortodôntico, durante sua fase ativa, são insignificantes em relação à força necessária para gerar alguma trinca no esmalte. Só como comparativo, o dente deve ser comprido com alicate de pressão para que venha trincar. A força de adesão dos bráquetes metálicos (tijolinhos) aos dentes é fraca, sendo que a sua instalação ou remoção não gera trincas de esmalte, prova disso é a facilidade com que essas peças se soltam dos dentes quando a pessoa mastiga algo mais duro. O clareamento dentário é feito pelo uso de peróxidos que penetram pelas porosidades microscópicas do esmalte, provocando a fragmentação das macromoléculas de pigmento no interior do dente. Portanto, esse processo não agride e nem corroe o esmalte dentário para que venha provocar trincas ou outro dano. Esses dois temas já foram e são muitos pesquisados, sendo que as conclusões são unânimes em afirmar que não existe nenhuma relação entre esses procedimentos e o surgimento ou agravamento de trincas no esmalte dentário. Até o momento, se alguém, se afirmar o contrário é porque não tem menor conhecimento sobre o assunto ou está mentido.

Vale lembrar: ao perceber a presença de alguma trinca no seu dente, não se apavore, consulte um dentista e cuidado ao rebater a polenta quente com a cerveja “trincando”.

Dr. Sergio Ricardo Monteiro

Cirurgião Dentista, Clinico Geral, Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial e Habilitado em Lesertarapia.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta