Mariceli Bernini: Ordália – Prova de Fogo

Mariceli BerniniNa Idade Média, período da história mundial ocidental que aconteceu entre os séculos V e XV não havia leis judiciais como as que regem a atual sociedade moderna na qual vivemos.

Quando um indivíduo era suspeito de ter cometido algo considerado crime, ele escolhia um amigo, cidadão de bem, e este amigo era submetido a uma prova, se tivesse êxito na prova o acusado era considerado inocente, se o resultado da prova não fosse satisfatório o incriminado era tido como culpado e pagava pelo crime, tendo cometido ou não. Ou seja, o que definia a inocência ou não do acusado era o resultado da prova pela qual o amigo fazia.

A prova consistia no seguinte: o amigo escolhido para comprovar a inocência do incriminado deveria segurar uma barra de ferro quente e dar 3 passos segurando-a. Se esta pessoa não suportasse a queimadura e soltasse a barra de ferro antes de completar os 3 passos o amigo incriminado era considerado culpado. Se ele agüentasse e não soltasse seu amigo incriminado era considerado inocente.

Não vivemos na Idade Média e temos leis que executam a absolvição ou condenação de um suspeito de ter cometido um crime, mas se vivêssemos naquela época, você aceitaria o desafio para provar a inocência de um amigo? E caso necessitasse, você teria pelo menos UM amigo para indicar com a finalidade de avalizar sua inocência e liberdade?

Acredito que não seria uma escolha fácil, em primeiro lugar você teria que confiar neste amigo, e em segundo lugar você teria que ter conhecimento a respeito dos conceitos que seu amigo possui por você para ter certeza de que ele aceitaria o desafio e tolerasse o desafio por você.

Será que nós, mergulhados na sociedade moderna, manifestamos uma conduta ilibada e respeito aos outros como realmente pensamos possuir e fazemos nossos amigos terem conceitos sempre positivos a nosso respeito? Tenho observado muitas pessoas queixando-se da falta de compreensão e respeito por parte dos outros, mas se todos se queixam das mesmas queixas, então quem as pratica se todos nós é quem somos as vítimas e nunca os autores da incompreensão e da falta de respeito? Será que somos tão compreensivos e respeitosos como pensamos? O que nossos amigos pensam de nós?

O que pensamos e comentamos num grupo de pessoas quando uma delas que estava no grupo vai embora? Comentamos algo da vida dela da mesma forma que comentaríamos se ela estivesse presente? E quando vemos um amigo passando com um carro novo, desejamos que ele prospere ainda mais, e ficamos felizes pela conquista dele, ou invejamos e desejamos algo que é difícil até para confessarmos a nós mesmos?

E quando recebemos algum dinheiro por engano que não é nosso, como procedemos? Como agimos quando um amigo nos liga em horário inoportuno, atendemos ou fingimos que não recebemos a chamada?

Respeitamos as placas de sinalização quando não há policiamento? Respeitamos os maridos ou as mulheres dos (as) nossos (as) amigos (as)? Criticamos as pessoas que tem religião diferente da nossa? Ridicularizamos os homossexuais ou respeitamos a liberdade e individualidade de cada um? Somos tolerantes com as falhas dos demais? O que temos feito na internet quando ninguém mais está vendo? Nossa presença dentro de um lar melhora a qualidade de vida dos nossos familiares?

O objetivo deste texto é levar cada leitor a uma reflexão: o fato de você estar vivo faz a diferença na vida das demais pessoas ou você vive somente para o seu próprio bem-estar?

De que adianta reclamar da presidente da república, dos deputados,  do prefeito e da cidade, se a SUA parte você não faz?

Você joga lixo na rua? Você separa os reciclados? Você aconselha e dá auxílio a uma criança carente ou pensa que esta tarefa é somente do governo? Você respeita os idosos? Você respeita os direitos dos animais ou pensa que eles não possuem sentimentos? Você respeita os ricos e os pobres de maneia semelhante ou age de modo diferente porque seus conceitos lhe dizem que os ricos são pessoas melhores? O local onde você vive se torna mais bonito, saudável, alegre e melhor porque você está nele? Você ouve as pessoas ou só você é quem quer falar? Quando vê uma pessoa pela primeira vez julga esta pessoa pela aparência dela?

Cada ser humano é aquilo que faz e pensa.  Observe-se e analise o que tem feito e pensado e saberá quem é.

Reflita em como tem sido a tua vida junto dos teus amigos e saberá se eles segurariam uma barra de ferro em brasa por você. Sua conduta é quem determina as reações da conduta do outro.

Sempre que queremos modificar a conduta de uma pessoa devemos começar por nós mesmos, pois se mudarmos a outra pessoa, inevitavelmente, mudará também. Mesmo pequenas mudanças de atitudes fazem muita diferença. Analisa o que deve ser mudado em tua vida, o primeiro beneficiado será você. Faça o que quer que as pessoas façam, comece por você.

Reclamar, praguejar contra a vida nunca ajudou o mundo a se tornar um lugar melhor, devemos melhorar a nós mesmos e sermos “a mudança que queremos ver no mundo”.

Mariceli Bernini é psicóloga formada pela Universidade Estadual de Londrina e possui Consultório de Psicologia em São João do Ivaí.

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

11 Comments

  1. Olá Mariceli,você nem imagina o quanto fez efeito para mim ler esse texto .São palavras para uma ótima reflexição ,Se nos lembrasse-mos sempre que somos filhos de Deus tenho certeza absoluta que tudo seria mais fácil de um modo geral.Que Deus ilumine você até o fim de sua jornada.Felicidades.

    • Olá Adilson,
      Fico feliz que o texto tenha sido útil para você, pois é exatamente esta a intenção quando envio os textos para este Blog: que sejam úteis para os leitores.
      Atualmente o avanço científico e tecnológico atingiram proporções tão grandiosas, mas infelizmente esquecemos quase que na totalidade do tempo que todas as resposta e realizações só podem ser obtidas se houver compreensão interna. A compreensão interna é a força da vida e a força da vida vem do Pai Celestial.
      A despeito dos avanços tecnológicos e científicos, o ser humano da atualidade ainda sofre pelos mesmos motivos que sofriam há 200, 400 anos atrás ou sempre.: abandono, tristeza, raiva, rejeição, nervosismo, perdas, enfim, a modernidade não impede que o ser humano sofra emocionalmente. Por isso é muito interessante nos conhecer interiormente e procurarmos ter avanços internos, ou seja, nos melhorar a nós mesmos. Só assim o mundo será melhor. De que adianta existir máquinas super modernas se nós, humanos, fazemos uso delas para a nossa própria destruição, como é o caso, por exemplo, das armas silenciosas?
      Deveríamos investir mais em nós mesmos, e isso só é possível através do auto conhecimento.
      Um abraço para você e que Deus esteja com você, e você com Ele, para sempre.

  2. uma questao um tanto quanto intrigante,pois assim como muitas outras, tais como a paz mundial,a saude perfeita, a menor idade penal, seguranca ,enfim….voce,uma pessoa culta e estudada,,,confiaria plenamente em um * amigo * ? agiria sem questionar ? mesmo que fosse um questionamento interno ? faria sem perguntar se o mesmo faria por voce ?
    Vivemos em um mundo hipocrita,onde as pessoas mentem o tempo todo…e sao incapases de serem verdadeiras…

    • Olá Reforsus,
      Na condição de psicóloga não concordo que o mundo seja hipócrita e também que as pessoas mintam o tempo todo sendo incapazes de dizerem a verdade. Se eu concordasse com isso teria que abandonar minha profissão. Eu acredito que todos nós possuímos conceitos formados a partir da educação que recebemos na infância a qual auxiliou na construção de nossas personalidades. Se mentimos ou não, se fazemos uso da hipocrisia ou não utilizamos a verdade, isto tudo faz parte dos processos de mecanismos de defesa da psiqué.
      Quando um indivíduo se utiliza da mentira e da hipocrisia a maior parte do tempo ou mesmo o tempo todo acredito se tratar de uma pessoa que possui alguma doença mental, e o mundo está cheio de doentes mentais não diagnosticados. Por exemplo, um político que rouba o dinheiro do povo, mentindo para a nação e não sente culpa, certamente é um doente mental, um psicótico. Os psicóticos são indivíduos que possuem a estrutura psíquica em desajuste, e por isso são incapazes de sentir culpa.
      Me causa muito estranhamento que a sociedade os reelejam.
      Quanto às perguntas pessoais que direcionou a mim, todas as pessoas do meu convívio consideradas meus amigos, e são poucos, muito poucos aqueles que considero como amigos, pois meus critérios são muito altos para selecionar alguém como AMIGO, posso lhe responder certamente que confio em cada um destes pouquíssimos amigos.
      Bom seria vivermos em uma sociedade justa, saudável e feliz, mas os desequilíbrios emocionais nos roubam a paz e se manifestam nos nossos comportamentos diante da sociedade.
      Um abraço para você, obrigada pelo comentário.

      • É verdade , ainda que moramos numa cidade pequena e que praticamente todos se conhecem, mesmo que de vista, sabe onde mora e na maioria das vezes o que fazem, seria realmente um sonho uma sociedade (lat societate) 1 Sociol Conjunto relativamente complexo de indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades, permanentemente associados e equipados de padrões culturais comuns, próprios para garantir a continuidade do todo e a realização de seus ideais.)( significativo 01 MICHAELIS )

        Será que não está faltando algo para os nossos menores ?
        ensinamentos ¨¨antigos¨¨que garantam respeito e conhecimento de como seria uma sociedade, apoio, ajuda mútua, falam-se muito de proteção, mas cadê a educação ?com educação construímos um mundo… toda criança sonha com um mundo feliz, basta mostrarmos o caminho certo…sabemos como fazer, o que fazer, mas nos omitimos, criamos leis que encorajam atitudes cruéis não responsabilizamos ninguém, …construímos estádios ,ajudamos em catástrofes em outros países , mas como vamos fazer de nossa sociedade , uma sociedade justa, saudável e feliz ?

        **PS**
        você poderia fazer um levantamento de como são utilizadas
        as (bolsas famílias) recebimentos estes que na teoria deveriam ser direcionadas para compras de produtos de primeira necessidade, e orientar em um texto simplificado da maneira correta de seu uso, como onde e com que gastar…
        Sabendo que…
        O Bolsa Família surgiu como estratégia de alívio imediato da pobreza e como contribuição para sua redução entre gerações. Para assegurar que os filhos das famílias que vivem nesta situação possam ter uma vida diferente no futuro.

        • A SUGESTÃO É MERAMENTE ESPECULATIVA E NÃO RELATIVA AO TEXTO EM QUESTÃO.

        • Olá Magnânimo,
          Acredito ser possível vivermos em uma sociedade onde possamos garantir uns aos outros a “continuidade do todo e a realização de seus ideais”. Para isso é necessário mais investimento na educação e menos “Bolsas”, pois com advento das “Bolsas” combate-se o efeito e não as causas dos desajustes e desta maneira a problemática não tem fim.
          Achei importantíssimo seu questionamento: “Será que não está faltando algo para os nossos menores?”
          Concordo com você, está faltando. E todos nós sabemos o que é. Para que convivamos em uma sociedade é necessário respeito, e isto somente é possível através da educação.
          Obrigada pelo seu comentário.
          Um abraço.

  3. Bom, muito bom!
    Porque será que nós não conseguimos ser perseverantes até o fim?
    Às vezes tentamos, damos início, mas acabamos desistindo de ser melhor a cada dia e agimos de acordo com as circunstâncias, muitas vezes somos ásperos em nosso relacionamento social ou até mesmo com nossa família.
    Por que será que somos assim?

    • Olá João,
      Grata pelo teu comentário.
      Quanto à tua pergunta, a resposta é bastante complexa, mas resumidamente te digo sem medo de errar que a maior causa de não persistirmos em nos melhorar se deve ao fato de não sermos conscientes de quem somos filhos.
      Somos Filhos de Deus!
      Mas esquecemos disto com tanta constância que chegamos ao ponto de não acreditar que possuímos a herança divina internamente. Como pode um Ser Perfeito criar algo imperfeito? Todos nós seríamos perfeitos se não tivéssemos abandonado nossa herança recebida do Pai Celestial. Por conta deste abandono nos tornamos egoístas e desprovidos de amorosidade, manifestando a total falta de amor por nós mesmos e por nosso semelhantes.
      Não é uma pena?!?

  4. … o fato de você estar vivo faz a diferença na vida das demais pessoas ou você vive somente para o seu próprio bem-estar?

    Perfeito!

    Infelizmente as pessoas estão atoladas de razão, mas possuem pouco bom senso!

    Este texto me lembrou as palavras de Jesus de Nazaré ( O Cristo ) em João I,XX: Se alguém diz:

    “Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu”.

    Mariceli, a gente passa a ter vontade de mudar algo, e é aí que percebemos como temos o poder de transformar, com pequenas atitudes, a vida do outro e o mundo.

    Parabéns pelo excelente texto, sua atitude ajudar a modificar o mundo, fazendo bem ao outro com suas palavras.

    Deus abençoe teu intelecto.

    • Oi Diego,
      Um sábio perfeito nos ensinou, há 2.000 anos atrás, que devemos amar nosso próximo da mesma maneira como nos amamos. Mas algumas pessoas não se amam, então não podem oferecer amor ao próximo.
      A esperança é de que um dia todos possam se amar e, portanto, amar seus semelhantes verdadeiramente.
      Um beijo para você.

Deixe uma resposta