Projeto prevê rota de turismo religioso no Vale do Ivaí, no Paraná

Do G1

Santuário de Santa Rita de Cássia, em Lunardelli

Santuário de Santa Rita de Cássia, em Lunardelli

As igrejas históricas, monumentos, templos e grutas com imagens religiosas que movimentam fiéis em várias cidades do norte do Paraná devem se tornar parte de uma rota de turismo. A ideia ganhou força a partir do 10º Congresso Internacional de Turismo Religioso Sustentável, realizado de 3 a 5 de junho, em Apucarana, que reuniu delegações de países da América Latina, Europa e Ásia. O projeto engloba parte dos 26 municípios que compõe a região do Vale do Ivaí e deve ter início até o final de 2013, segundo o secretário da Fundação Cultural e de Turismo de Apucarana, Ednei Mansano.

Dados do Ministério do Turismo, mostram que cerca de 15 milhões de pessoas têm interesse pelo turismo religioso em todo o país. Das 190 milhões de viagens domésticas feitas pelos brasileiros, 2% são por motivos religiosos. “O turismo religioso não é feito de forma rápida. O visitante vai conhecer as riquezas religiosas com qualidade de vida. É um turismo de bem viver”, enfatizou o secretário Mansano.

O primeiro passo para concretizar o projeto, de acordo com ele, será um estudo aprofundado sobre os principais pontos de turismo religioso na região, que será realizado pela Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana (FECEA).

O objetivo da formação desta “rota da fé” é conquistar esses visitantes tanto pela crença quanto pelas belezas naturais da região, levando os turistas a conhecer um pouco mais dos costumes e da cultura de cada uma das cidades. “Isso ajudará no desenvolvimento de toda a região”, aponta Mansano.

Depois de explorar o Vale do Ivaí, os municípios já cogitam um projeto ainda maior, com a pretensão de estruturar um trajeto que vá até Nova Trento, em Santa Catarina, onde fica localizado o Santuário de Santa Paulina, considerada a primeira santa do Brasil. Um trajeto de aproximadamente 600 km, que teria como principal modelo o caminho de Santiago de Compostela, que atravessa a Espanha em um percurso de 800 km. “Pensamos em criar vários roteiros alternativos, com a possibilidade de fazer o caminho a pé, de bicicleta e a cavalo, passando por vários pontos religiosos”, acrescenta Mansano.

Apucarana
A base da rota turística deve se concentrar em Apucarana, maior cidade da região. Lá os turistas poderão conhecer alguns parques ambientais com temas religiosos, como o Parque da Bíblia, que possui murais com passagens da sagrada escritura, e o Parque da Redenção, onde 96 esculturas de três metros de altura retratam a vida de Jesus Cristo em 19 cenas.

Mansano explica que os locais são visitados principalmente por quem mora na cidade. “A nossa ideia é fazer com que sejam o ponto de partida para atrair turistas de outras cidades e até estados”.  A cidade também tem outros atrativos religiosos, como uma Igreja Ortodoxa da colônia ucraniana e um templo budista.

Mais romeiros do que habitantes
Em Lunardelli, que também está incluída no projeto inicial, a principal atração é o Santuário de Santa Rita de Cássia, que atrai milhares de romeiros nos finais de semana e muda a rotina do pequeno munícipio, que conta com pouco mais de cinco mil habitantes. A novena realizada todo domingo atrai pessoas de várias cidades do Paraná e de outros estados, como Santa Catarina e São Paulo.

Segundo a freira Petronila Batisti, responsável pela acolhida dos romeiros, algumas vezes, o número de visitantes é maior do que o de moradores do munícipio. “Nos finais de semana próximos ao dia de Santa Rita, comemorado no dia 22 de maio, recebemos muitas pessoas. No dia 19, por exemplo, foram 7,8 mil romeiros, e no dia 26 foram 6 mil”, informou a freira. Além da igreja, os turistas também poderão percorrer outros pontos, como a Gruta e o Monumento do Milagre da Rosa, também dedicados a Santa Rita.

Porém, a religiosa aponta que a cidade ainda precisa de melhorias para receber os turistas. “Como a cidade é pequena, não temos hotéis ou pousadas por aqui. Os romeiros precisam ir até as cidades vizinhas para poder passar a noite”, argumenta Petronilda.

Para receber tantos turistas, o Santuário tem passado por melhorias, como ampliações nos banheiros e na cozinha do salão paroquial. De acordo com o pároco-reitor do Santuário, padre Célio Tarozo, o objetivo agora é construir uma igreja maior, com capacidade para oito mil pessoas – a atual abriga por volta de 800. Um pedido foi encaminhado à prefeitura para a doação do terreno, que fica ao lado do santuário.

A cidade se beneficia com o grande número de visitantes. Nos dias de novena, é realizada a Feira do Artesão nas proximidades do Santuário. Segundo o padre, os comerciantes da região ganham mais nos domingos do que durante toda a semana. “O Santuário representa muito para a cidade. Com esse fator religioso, todos são beneficiados”, afirma Tarozo. Matéria do G1, Pr mais detalhes aqui

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta