Mariceli Bernini: É preciso saber viver

MariceliUma enfermeira australiana lançou, no ano de 2011, um livro com uma lista de cinco principais arrependimentos de pessoas que possuem doenças terminais.

O termo doença terminal é o nome dado ao estágio da doença em que não há mais possibilidade de se restabelecer a saúde, evoluindo para a insuficiência de órgãos-alvo e iminência de morte, ou seja, o paciente terminal tem um tempo curto de vida, pois pela gravidade da doença se acabam todas as possibilidades de tratamento.

Veja abaixo os 5 principais arrependimentos de pacientes terminais:

1. Gostaria de ter tido uma vida fiel a mim mesmo e não uma vida que os outros esperavam de mim;

2.Gostaria de não ter trabalhado tanto;

3.Gostaria de te tido coragem de expressar meus sentimentos;

4.Queria ter mantido contato com meus amigos;

5.Queria ter sido mais feliz.

1. Geralmente as pessoas fazem pelo outro aquilo que elas acreditam que é importante, mas não fazem a si mesmas aquilo que elas também tem certeza de que é importante para ela própria. Quando uma pessoa deixa de fazer algo que é importante para ela para fazer algo que é importante para outra pessoa, esse tempo não volta. Não estou dizendo para cada pessoa pensar somente em si mesma e não auxiliar o próximo, mas sim que faça também a si o mesmo que se esforça tanto para fazer pelo outro. Desta forma, quando o final da vida se aproximar, não terá a sensação de que as pessoas estão te “devendo” algo. Faça pelas pessoas, mas faça por si também.

2. Pessoas que colocam toda a sua energia e tempo no trabalho têm maiores probabilidades de se arrependerem disso no fim da vida, pois se toda a atenção e foco foram dedicados ao trabalho, quanto tempo foi dedicado aos outros setores da vida?

3. Perder a capacidade de fingir é uma das melhoras e mais bonitas coisas que podemos fazer por nossas vidas e também pelo mundo. Não espere o fim da sua vida para dizer àquela pessoa o que você sente, ou para ser mais carinhoso e mais doce, manifeste ao mundo o que você tem “por dentro”. Normalmente uma pessoa deixa para resolver suas questões emocionais quando a possibilidade de resolver tudo isso está chegando ao fim. Demonstrar afeto é uma tarefa diária.

4. Muitas vezes nossos relacionamentos com nossos amigos são mais verdadeiros que os relacionamentos que temos com a nossa própria família, portanto, os amigos são pessoas especiais, por isso, faça com que eles saibam disso na prática.

5. A felicidade é poder ter liberdade para decidir o que fazer. E não viver uma vida escravizada por padrões como: “tenho que ser magro”, “preciso ganhar mais que o  meu vizinho”, “tenho que ter um carro novo”, “preciso mostrar pra sociedade que meu casamento vai bem”, “preciso estar bonito para os outros pensarem que sou feliz”. Não! Isso não é felicidade. Felicidade é uma sensação de completude que vem se manifestando de “dentro para fora”, não importando se a pessoa está acima do peso ou se sua casa não é a mais bonita, ou mesmo se o sua profissão é humilde, por exemplo.

Quando uma pessoa é ou está feliz o que menos importa são valores externos, como dinheiro e status social. Pessoas felizes são pessoas livres, e a liberdade não está condicionada a regras e padrões impostos pela sociedade. Por exemplo, se você trabalha somente para juntar dinheiro para comprar coisas com a finalidade de provar para a sociedade que você conseguiu ou para ostentar a compra, então você é escravo do seu dinheiro e um escravo não pode ser feliz.

Releia os 5 maiores arrependimentos que a maioria das pessoas que dispões de pouco tempo de vida dizem ter e reavalie se a tua vida está de acordo com o que realmente é importante para estar vivendo bem.

Para finalizar, e com a intenção de auxiliar que você repense sua vida, vou citar um trecho de um poema de Carlos Drummond de Andrade:

“Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda a simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar, e acima de tudo ouvir. Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo. Que tenham ideais e medo de perdê-lo. Que amem ao próximo e respeitem sua dor. Para que tenhamos certeza de que: Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.”

Mariceli Bernini é psicóloga formada pela Universidade Estadual de Londrina e possui Consultório de Psicologia em São João do Ivaí.

Adicionar a favoritos link permanente.

7 Comments

  1. Excelente o texto… Parabéns!

  2. Errata: “e realmente só podemos oferecer aquilo que temos ****

  3. … “Geralmente as pessoas fazem pelo outro aquilo que elas acreditam que é importante, mas não fazem a si mesmas aquilo que elas também tem certeza de que é importante para ela própria”.

    Texto excelente e destaco este trecho acima, e realmente só podemos oferecer aquilo que tempo.

    Jesus dizia: “Assim como você ama a si mesmo, ame o seu próximo” (Mc 12,33).

    Jesus não está apenas dizendo: busque para o seu próximo às mesmas coisas que você busca para si, mas: busque-as da mesma maneira, com o mesmo empenho, energia, criatividade a mística humana e fazer da medida com que busca a sua realização, a medida com que se dá aos outros.

    Em outra parte do texto você diz:

    “…Pessoas felizes são pessoas livres, e a liberdade não está condicionada a regras e padrões impostos pela sociedade”.

    Estamos esquecendo a enorme diferença entre SER e TER e isso é ASSUSTADOR!

    Então senhorita Mariceli, sigamos em frente e nesta estrada te ofereço meu ombro para ajuda-la a caminhar, pois somos anjos de uma asa só e precisamos do outro para aprendermos a voar.

  4. Parabéns muito bom o texto.
    Que Deus continue abençoando sua vida.
    Um beijo com carinho 🙂

Deixe uma resposta