Polícia Militar Rodoviária intensifica fiscalização na Operação Proclamação da República

normal_POLICIARODOVIRIA2normal_POLICIARODOVIRIA2normal_POLICIARODOVIRIA2normal_POLICIARODOVIRIA2operacao_feriado_1_997A Polícia Militar Rodoviária iniciará na quinta-feira, 14 de novembro a Operação Proclamação da República. Em virtude de ser o último feriado prolongado antes das festas de final de ano, deve ocorrer um grande aumento no fluxo de veículos pelas rodovias estaduais da região.

O Comandante da 5ª Companhia da Polícia Militar Rodoviária, Capitão Gustavo Brinski informou que serão alocadas viaturas em pontos estratégicos com a intenção de coibir infrações e prevenir acidentes, assegurando desta forma uma viagem tranqüila para todos os usuários. Durante a operação da Policia Militar Rodoviária serão alvos constante de fiscalização, a utilização do cinto de segurança e da cadeirinha.

Além disso, o radar fotográfico será empregado de forma intensiva em todos os dias do feriado prolongado com vistas a reduzir os possíveis excessos de velocidade.

A embriaguez ao volante também será objeto de fiscalização com os equipamentos bafômetros que estarão em vários pontos espalhados ao longo das rodovias estaduais da região.

O Capitão Brinski mencionou que o aparato policial é disponibilizado com o intuito de desencadear em todos os usuários uma consciência positiva sobre as posturas corretas no trânsito. “A nossa intenção é mostrar para todos os condutores que a correção de comportamentos é elemento fundamental para que tenhamos um trânsito mais seguro e pacífico”.

A Operação Proclamação da República vai até segunda-feira, 18 de novembro.

Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. MULTADO... 160 KM HR

    uma mafia….se quisesem que andasse na velocidade minima não fariam carros que andan a 290 km hr…e sem falar que os pulicias ficam escondidos….. postem aqui quem anda em 80 km nas nossas rodovias,,,, sempre acima de cem….nem vem ….só querem dinheiro…não é cúlpa do infeliz que esta com o radar na mão…. ele é um trabalhador que nem queria estar lá….

Deixe uma resposta