Correios garante manutenção do plano de saúde

Os Correios reafirmam que não haverá nenhuma alteração no atual plano de saúde dos trabalhadores, o CorreiosSaúde. Nenhuma mensalidade será cobrada, os dependentes regularmente cadastrados serão mantidos e o plano de saúde não será privatizado. Todas as condições vigentes do CorreiosSaúde serão mantidas, os percentuais de co-participação não serão alterados e os trabalhadores dos Correios não terão custos adicionais.

Estes esclarecimentos também foram feitos publicamente pela Postal Saúde no final de semana, por meio de comunicado divulgado em diversos jornais do País.

A Postal Saúde não é um plano de saúde. É uma caixa de assistência, patrocinada e mantida pelos Correios. Desde o início de janeiro, o plano CorreiosSaúde, que atende os empregados da ECT e seus dependentes, passou a ser operado pela Postal Saúde, com política e diretrizes definidas pela ECT. As regras do plano não foram alteradas — o pagamento do salário dos trabalhadores dos Correios referente a janeiro já foi realizado, no último dia 25, e não houve cobrança de qualquer tipo de taxa ou mensalidade.

A empresa está cumprindo o que foi definido pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) no ano passado a respeito do assunto: todas as regras do plano de saúde definidas na Cláusula 11 do Acordo Coletivo de Trabalho estão mantidas.

Parte dos sindicatos dos Correios, em algumas localidades do Brasil, iniciou um movimento de paralisação contra a Postal Saúde. Mas a maioria dos 35 sindicatos (22) não aderiu ao movimento, incluindo os maiores (São Paulo e Rio de Janeiro) e participa da Mesa Nacional de Negociação Permanente, com reuniões mensais com a empresa.

Funcionamento — Os Correios estão funcionando normalmente nesta terça-feira (4) em todo o Brasil, com 95,7% do efetivo total da empresa trabalhando, o que corresponde a 120.104 empregados — a aferição de presença é realizada por meio de sistema eletrônico. No Paraná, o índice é de 94,11%. Todas as agências estão abertas e todos os serviços, inclusive o SEDEX, estão disponíveis — com exceção dos serviços de entrega com hora marcada em algumas localidades.

A maioria dos 35 sindicatos dos Correios (22) não aderiu ao movimento parcial de paralisação, incluindo os maiores (São Paulo e Rio de Janeiro), e participa da Mesa Nacional de Negociação Permanente, com reuniões mensais com a empresa. A empresa implantou plano de contingência para garantir a entrega de cartas e encomendas, mas devido à paralisação parcial, pode haver atraso em alguns serviços.

Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. Stanley Charlie Brown johnnes

    Pra ressalta ! É de praxe esse tipo de manifestações dos funcionários .
    E nós que dependemos do serviço postal , assim como eles depende de nos para seu serviços.
    Estã agindo de má fé , enquanto isso as reivindicações imposta por eles , continua a nos prejudicar ( o povo ) brasileiro.
    Nesse mato tem coelho ! E o governo ? Ta nem ai pra essas crises de nervos . Foi só mais uma tentativa , pra mais uma ladainha .

Deixe uma resposta