Quatro pessoas da mesma família são assassinadas em Marilândia do Sul nesta sexta-feira

2Os moradores de Marilândia do Sul, principalmente do distrito de São José onde ocorreram os crimes estão chocados com a noticias divulgada há pouco. Quatro pessoas da mesma família foram assassinadas a facadas e pauladas, a chacina teria sido praticada por alguém da família com problemas mentais, entre os mortos estão duas crianças. A PM está no local.

Segundo as primeiras informações, o adolescente matou os avós e dois primos de 9 e 12 anos.

O adolescente matou os avós Antônio Geraldo da Silva, de 52 anos, e Maria Helena da Silva, de 56 anos, e dois primos: Jonathan Conerado, de 11 anos, e Jhemily Conerado, de 8 anos. Segundo a polícia, o autor utilizou um machado, um martelo e um taco de beisebol para matar os familiares. O crime teria ocorrido na quinta-feira à noite (06), mas os corpos foram encontrados às 12 horas desta sexta-feira por uma vizinha.

O adolescente teria cometido os crimes e depois ido normalmente à escola, como se nada tivesse acontecido. Ele foi apreendido pela polícia.

De acordo com a polícia, após cometer o crime, o adolescente saiu com o carro do avô, um Chevrolet Agile. Populares relataram à PM que ele teria passado em um bar e contado que havia assassinado toda sua família, contudo, as pessoas não acreditaram. O veículo foi abandonado próximo a um lixão. Pela manhã, o adolescente foi para a escola normalmente e levou na mochila a arma do avô – um revólver calibre 32. Após a aula seguiu para um ponto de ônibus, onde foi apreendido pela PM e confessou o crime.

Após matar a família, ele escreveu a palavra “ódio” com sangue na parede da cozinha da casa, onde ele também vivia. Os pais dele moram em outras cidades – a mãe em Curitiba e o pai no Rio Grande do Sul.

Há um mês ele já teria tentado jogar veneno no poço que abastece o distrito. Segundo familiares, o garoto tomava remédios controlados e era muito violento.

Texto Roque e Tribuna do Norte/Fotos Rodrigo Almeida

3145

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta