Cai número de acidentes, vítimas e mortes envolvendo pedestres no Paraná

DCIM100GOPRODados do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) revelam que o número de acidentes, vítimas e mortes envolvendo pedestres caiu no Estado nos últimos dois anos. Neste sábado, 8 de agosto, celebramos o Dia do Pedestre e, por isso, o órgão de trânsito reforça a importância do respeito mútuo que deve haver entre pedestres, ciclistas e motoristas. Afinal, você já deve ter ouvido a máxima: no trânsito, todos somos pedestres.

“O próprio Código de Trânsito Brasileiro prevê que o maior deve cuidar do menor, justamente por que os pedestres são os mais frágeis dentro desse sistema. É importante que todo motorista seja consciente de que uma hora ele será pedestre”, orienta o diretor-geral do Detran Paraná, Marcos Traad, que também é presidente da Associação Nacional dos Detrans.

De acordo com dados do anuário estatístico do Departamento, o número de atropelamentos reduziu 6,1% nos dois últimos anos, passando de 3.831 em 2013 para 3.596 no ano passado.

Em 2014, 61.720 pessoas foram vítimas de acidentes de trânsito no Paraná, sendo que 4.339 ocupavam a posição de pedestre na hora da colisão. Os pedestres representam 6,8% do total de feridos e 11,1% das mortes ocorridas no período.

No comparativo dos últimos dois anos, o número de mortes envolvendo pedestres caiu de 337 para 292 – redução de 13,3%. Já o número de feridos passou de 3.950 para 3.793, o que representa queda de 3,9% no período.

CUIDADOS – Além dos direitos, o pedestre também deve ter obrigações dentro do trânsito e alguns cuidados podem evitar acidentes e ajudar a preservar a própria vida.

É o caso de atravessar na faixa de segurança e na travessia elevada, sempre que ela existir. Além disso, é importante obedecer a sinalização do semáforo para que o deslocamento seja feito com maior tranquilidade.

Ao caminhar, não se deve utilizar fones de ouvido ou falar ao celular, pois é possível que o pedestre se distraia ou não ouça a buzina, em caso de alerta do motorista.

Vale lembrar que a lombada não se confunde com a travessia elevada. Aquela tem função de reduzir a velocidade do veículo e esta é de dar preferência à passagem do pedestre.

Outra dica importante é com relação as crianças. Ao caminhar na calçada, quando estiver acompanhado de uma criança, o adulto deve se posicionar ao lado do meio fio e deixar que ela fique para o lado de dentro do calçamento.

A atitude correta que deve ser tomada neste caso é andar segurando o pulso da criança para exercer maior controle sobre das ações dela – andar somente de mãos dadas pode ser um alto risco, pois se soltam facilmente.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta